WeCreativez WhatsApp Support
Olá, meu nome é Sandra. Estou à disposição para te ajudar, esclarecer dúvidas ou receber encomendas. Respondei o mais brevemente possível.
Olá, como posso te ajudar?

A Árvore da Vida – Sabedoria da Criação

Árvore da Vida Celta

A Árvore da Vida é um mito ou arquétipo difundido nas mitologias do mundo, geralmente relacionada ao conceito da Árvore Sagrada, presente nas tradições religiosas e filosóficas. A expressão Árvore da Vida foi usada como metáfora para a árvore filogenética da descendência no sentido da evolução em uma famosa passagem de Charles Darwin (1872). A Arvore do Conhecimento, que liga o Paraíso ao Submundo, e a Árvore da Vida, conectando entre si todas as formas da criação, são ambas formas da “árvore do mundo” ou “árvore cósmica” e são representadas em várias religiões e filosofias como sendo a mesma árvore. Várias Árvores da Vida são encontradas no folclore, cultura e ficção, freqüentemente relacionadas à imortalidade ou fertilidade, tendo como origem o simbolismo religioso.

A Árvore da Vida tem importância fundamental no Hinduísmo, onde durante a cíclica destruição da criação, quando toda a terra foi coberta pelas águas, akshaya vata permaneceu incólume, e sobre as folhas dessa árvore o deus Krishna, na forma de um bebê, descansou quando o solo não era mais visível. Para os egípcios antigos, a Árvore da Vida representava a hierárquica cadeia de eventos que trouxeram tudo à existência. As esferas da Árvore da Vida descrevem a ordem, o processo e o método da criação. Etz Chaim, expressão hebraica para árvore da vida, é um termo comum usado no Judaísmo. No Budismo, a árvore Bo ou Bodhi é uma fícus sob a qual Buda se sentou quando chegou à Iluminação. Na mitologia chinesa, uma história taoísta fala de uma árvore que produz o pêssego da imortalidade a cada 3000 anos, e quem comer o fruto receberá a imortalidade.

A Árvore da Vida
A Árvore da Vida

Na tradição cristã católica, a Árvore da Vida representa o imaculado estado da humanidade, livre de corrupção e do pecado original, antes da Queda. Santo Alberto Magno, falando sobre a Eucaristia, disse que o corpo e sangue de Cristo, é o fruto da árvore da vida. No paganismo germânico, a árvore da vida aparece na religião nórdica como Yggdrasil , árvore do mundo, uma árvore maciça com uma extensa tradição que a rodeia.

O conceito de árvores da vida é um tema predominante nas cosmologias e iconografia da Mesoamérica pré-colombianas. As árvores da vida incorporavam as quatro direções cardinais, que representavam também a natureza quádrupla de uma árvore da vida central, um eixo simbólico que comunica os planos do submundo e o céu com o mundo terrestre.

Além dessas referências, encontramos a Árvore da Vida presente em muitas outras mitologias e religiões ao longo da História da Humanidade, como nas mitologias persa e assíria, na religião islâmica, na mitologia turca e na cabala.

Dessa forma, concluímos que o simbolismo da Árvore da Vida, com toda a sua conotação divina, nos remete à Sabedoria da Criação, nos estimula a manter e reforçar nossa conexão com todos os seres vivos e mesmo com o Cosmos, absorvendo ao mesmo tempo as energias vitais que nos são enviadas nessa comunicação. É nesse sentido que o conceito de Imortalidade e Fertilidade se fundem, onde nada realmente morre – se transforma – e gera novas formas de vida, todas únicas e compartilhando o Um.

Fonte: Dicionário de Símbolos ,Jean Chevalier & Alain Gheerbrant, Editora José Olympio

A Árvore da Vida
A Árvore da Vida
A Árvore da Vida

Árvore da Vida & Kaviah

close

Inscreva-se por E-mail

Receba por email ofertas e novidades em primeira mão

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

close

Inscreva-se por E-mail

Receba por email ofertas e novidades em primeira mão

Não enviamos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

6 comentários em “A Árvore da Vida – Sabedoria da Criação

    • Sandra :

      Olá Andréia, desculpe pela demora!
      A fonte desse artigo é o livro:
      Dicionário de Símbolos
      Jean Chevalier & Alain Gheerbrant
      Editora José Olympio
      Paginas 84 à 90

      Agradeço por acompanhar 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *